Esta semana acordei com a notícia de que a Medida Provisória 950 acabaria com o registro profissional de Jornalista. Me deu frio na barriga. Senti o golpe baixo e sujo e fiquei triste, atendendo aos anseios macabros desse Governo, de enfraquecer, entristecer e desmotivar todo cidadão com ideias minimamente progressistas. Sua forma escrota de dizer: a democracia foi realmente uma vertigem no Brasil.

Quem é seu jornalista de confiança? Toda nação desenvolvida tem uma imprensa forte, todo povo próspero tem jornalistas independentes, investigadores motivados por denunciar os desmandos (e não são poucos em nosso país), a enfiar o dedo nas feridas e desmanchar quadrilhas, dando voz e fortalecendo instituições que atuam pelo bem coletivo.

Transformar a profissão em terra sem lei, precariza as condições de trabalho, enfraquece os veículos de comunicação e atinge a credibilidade da informação. Nenhuma democracia seria brinca com a liberdade e a qualidade da imprensa. E lembro-vos: a culpa dos problemas desse país não são e nem nunca foram da ‘mídia golpista’ ou da ‘globolixo’, nem tampouco dos jornalistas que nelas atuam. É falta de criticidade nível hard replicar esses termos chulos. Os problemas do nosso país são provocados por falta de gestão, falta de educação, de visão altruísta de cada um que chega ao poder para realizar e destrói, corrompe ou se deixa corromper.

Existem sim os vendidos, os dissimulados, os fascistas disfarçados de jornalistas e para esses o umbral está lá, cheio de gente egóica, para uns aninhos de conversas amargas. Em geral, porém, percebo mais gente imbuída pelo bem comum, exercendo diariamente um labor que de fácil nada tem, principalmente quem atua na função de repórter de rua, aquele que apura, busca, ouve, grava, decupa, escreve, corrige, lança e se joga na fogueira todos os dias, não porque isso dá muito dinheiro, mas principalmente por um sentimento bonito e meio misteriosos de doação, de ser útil ao bem comum.

Mesmo me afastando cada vez mais da profissão que escolhi, ao menos na condição de produtora de notícia, eu lamento os rumos obscuros que o país está tomando. Lamento também pelos publicitários, pelos sociólogos e pelas demais profissões afetadas com a MP, que ainda tem cara de pau de se travestir de avanço e desburocratização da profissão. Uma ova, como diria meu velho e já falecido pai.

Hoje é domingo, 17 de novembro de 2019. Chove o dia inteiro. O sol nem apareceu e feliz estou, depois da sofrência passada em dias calorentos na terra de Makunaima. Terminei a dissertação, revisada e formatada, enviada para o orientador para o ok final e agora é só preparar os slides para a defesa, que deve ocorrer dia 13 de dezembro. Eu e Luigi temos passagens agendadas para ir embora dia 16 de dezembro. A saudade é obvia e cada dia mais insuportável. Não faço mais essa graça de casal moderno, que não vê problema em ficar longe um do outro para estudar e etc. Não mais! Quando eu entrar no doutorado e ei de entrar, vai ser perto dele. Já são cinco meses e como diz o Luigi: nunca fiquei tão longe do papai. Isso é triste.

Tem coisas que a gente tem que viver para aprender. Mas a espiritualidade tudo organiza, de forma sabia e bonita: olhando com carinho, a gente entende tudo. Nesse momento a minha família, leia-se, a minha mãe, irmãos e familiares precisavam de mim mais do que qualquer coisa e eu deles. Em verdade a gente precisava da alegria do Luigi para nos fortalecer diante das condições de saúde da vovó Joaquina e tudo está fluindo, se ajeitando, menos o aperto no coração, natural das despedidas. Dessa vez vamos e devemos demorar um pouco mais para retornar. Temos um mundo de caminhos novos para conhecer e isso é altamente estimulante. Tem gente que diz: tu tens coragem em? Ô, mana. Tenho coragem, mas também tenho medo e tá tudo bem assim, é importante acostumar-se com a vulnerabilidade. É preciso estar vulnerável para fazer a leitura do que o mundo quer da gente. Por hora me construo enquanto pesquisadora, quero me tornar professora e escritora. Quero me dar a chance de ser quem eu quero e contribuir com o mundo do modo que mais amo. Torço para que seja também a vontade do universo.