Autor: Vanessa Brandão

#31 Eu não tenho amigas perfeitas

Eu não tenho amigas perfeitas. Nem amigos. Assim como não pude escolher familiares perfeitos, os laços com amigos de verdade estão além do visível. Por isso me assusta a “dica coach” seja amigo de quem tem sucesso, amplie seu network todos os dias e blá blá blá. Primeiro que isso não seria amizade verdadeira e sim uma relação marcada pelo interesse puramente “comercial”. Depois, me preocupa muito essa ânsia de perfeição e esse declarado discurso de “se afaste de pessoas tóxicas”, para sair de perto de quem tem a coragem de minimamente discordar de você. Ao contrário, é valioso demais ter aquele amigo que com jeitinho, te diz as verdades que demoramos a perceber ou que não queremos ver.

Read More

Diário do ‘começo do fim’ do isolamento: algumas coisas mudaram para sempre

Ontem foi um daqueles dias em que a tristeza bate sem um motivo específico. Eu estava no sofá, absorta em tédio e rabugice, olhando algum conteúdo inútil no celular, quando o companheiro me olha consternado: “O que foi amor? Por quê tá triste?” Aí tudo transbordou. Fui para o quarto, me cobri toda e fiquei lá encolhidinha como quando era um feto no ventre da mamãe. Tenho essas nostalgias singulares. Reinaldo ficou entretendo Luigi na sala para que eu pudesse elaborar minha tristeza sem causa (sem causa objetiva, digo, afinal, em meio a uma pandemia mundial, só não fica...

Read More

Diário do isolamento II

Hoje, 25 de abril de 2020, completamos 45 dias de quarentena. A cidade começou a implementar, no dia 21, a ‘nova normalidade’. Nos permitiram ir aos parques. Eu não achei que sentiria falta de ter carro morando em uma cidade com transporte coletivo eficiente, mas fato é que diante desse cenário, um carro seria bom, pois minha vontade é de ir a um parque novo todos os dias e se possível, subir montanhas e ficar até tudo isso passar.

Read More

Três pequenos poemas de amor e impulso

  Orvalho  Olhos castanhos a incendiar orvalhos Ditosos a espreitar astuto a boca que o chama Em noites de incessante encantamento Soltos no lavrado, correndo gostosos Pelados um para o outro, sem sobrenomes             Encontro  Que tua alma encoste sem querer na minha Passeando completas e cheias de ânimo Sob luares sem precedentes     Muito perto Me dê de presente a sua presença Sentindo com todos os cinco sentidos e meio ou seis Ouvindo meu murmúrio de mulher doida Vendo meus cílios cerrados Podemos acender um incenso para garantir que estamos sentindo o...

Read More


Vanessa Brandão

Jornalista , mestre em Letras.

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES